Peeling de Cristal e Diamante

Com o peeling de cristal é possível remover as células mortas da pele e, assim, regenerar o local. Seu rosto ganha uma textura macia e delicada. O tratamento utiliza cristais de hidróxido de alumínio para fazer uma microdermoabrasão da pele. Esse é um dos procedimentos estéticos mais realizados nos Estados Unidos. A técnica consiste na esfoliação progressiva da superfície cutânea feita pelos microcristais, que remove as células mortas e estimula a produção de colágeno e elastina, deixando a pele mais fina e macia.

Esse procedimento é realizado com o auxílio de um aparelho com sistema a vácuo que promove a pulverização de cristais de óxido de alumínio sobre a área a ser tratada. Esta reação abrasiva destrói a barreira externa da cútis, aumentando a penetração e potencializando a ação das medicações tópicas – tanto aquelas utilizadas pela paciente em casa, quanto àquelas aplicadas pelo dermatologista durante o procedimento. Após a avaliação da paciente, determina-se o número de sessões necessárias, que geralmente varia de três a 10, e o intervalo entre elas. A recomendação é de sempre iniciar com um peeling superficial e aumentar, progressivamente, a sua profundidade. Isso é definido de acordo com a pressão na pele exercida pelo médico.

São várias as indicações: tratamento de cicatrizes de acne, fotoenvelhecimento, manchas, estrias e rugas finas. Em alguns casos, pode-se associar a outros tratamentos, como laser, carboxiterapia, luz intensa pulsada, radiofrequência e terapia fotodinâmica. Logo após o procedimento, a pele pode ficar com aparência avermelhada, e em alguns casos, inchada. Nas primeiras 24 horas, pode, ainda, ficar escurecida e começar a descamar, eventualmente formando crostas que não devem ser retiradas para evitar manchas e cicatrizes.

Peeling de Diamante

Pode ser utilizado para amenizar estrias, rugas finas, cicatrizes de acne e no envelhecimento.

Neste peeling, é realizada uma microdermoabrasão superficial, com uma ponteira de diamante, que funciona como uma alternativa aos tradicionais ácidos e lixas. De acordo com o grau da estria, por exemplo, seu dermatologista regula a abrasão para fina ou grossa. A ponteira é conectada a um aparelho de vácuo que puxa a pele e comprime contra o diamante, tornando a esfoliação mais efetiva. É ideal para eliminar estrias novas, ainda vermelhas. Mas também funciona como auxiliar no tratamento das estrias brancas, mais antigas. As sessões acontecem a cada 15 dias e o tratamento leva cerca de três meses (dependendo da extensão e tipo de estria). Além disso, pode ser associado a outras técnicas como peelings químicos e mesoterapia. As aplicações não são doloridas.

Mesmo assim, a paciente pode apresentar vermelhidão nas áreas tratadas e é orientada a não se expôr ao sol por três meses (caso contrário, o local tratado por manchar).